Opinião Filme

A Rapariga que Roubava Livros






Título Original: The Book Thief
Realizador: Brian Percival
Elenco: Sophie Nélisse, Geoffrey Rush, Emily Watson
Género: Drama
Ano Estreia PT: 2014
Classificação IMDb: 7,7







[Não costumo avisar mas contém spoilers]

Uma jovem é obrigada a conhecer outra família quando o Nazismo começa a alastrar na Alemanha. Liesel (Sophie Nélisse) encontra nos braços de Hans Huberman (Geoffrey Rush), Rosa (Emily Watson), Rudy (Nico Liersch) e Max (Ben Schnetzer), o conforto que necessita para ultrapassar a dificuldade de ter sido abandonada pela a mãe e ter visto o irmão morrer. Mas os livros parecem ser o bálsamo que lhe enche a alma, apesar de inicialmente, não saber ler e não ter acesso a eles.


Não queria entrar por caminhos sobre qual é o melhor, mas infelizmente preciso de o fazer. O livro é muito melhor, o filme não é nada mau, mas a meu ver retirou o brilho a personagens importantes da obra e deu a outras.
Rosa mostra apenas uma pincelada do mau génio que usou e abusou durante quase todo o livro, preferindo focando o seu lado de coração forte e bom. Já Rudy, o menino de cabelo de limão, podia ter sido mais usado para mostrar a forte cumplicidade com a protagonista. E claro, não podia deixar de falar da grande protagonista deste enredo, a Morte. Só que ela é apenas protagonista na obra literária porque aqui é uma observadora muito distanciada. Se no livro conseguimos sentir a assombração da Morte perto de Liesel, no filme só obtemos um lamiré do seu papel e as frases mais marcantes proferidas por si.


Mas se estas personagens perderam o brilho, foi para dar ênfase à personagem Liesel. Graça à actriz Sophie Nélisse, foi lhe dado todo o destaque, e dei por mim a reparar em todas as suas expressões que denunciavam tudo e exprimiam com clareza o que estava a sentir. Uma brilhante interpretação que me fez gostar mais desta Liesel do que a do livro. Ela consegue graças à sua espontaneidade roubar o protagonismo às cenas.



A essência do livro está lá, mas faltou qualquer coisa para fazer deste filme majestoso como a versão literária. E também acho que quem não leu o livro, fica com uma ideia completamente errada sobre quem é a afinal a protagonista nesta história toda. E pode achá-lo não ser digno de nota porque simplesmente embarca pelo caminho de mostrar a relação de Liesel com quem a rodeava, contudo sem enfatizar estas relações interpessoais, e não tanto o lado dos alemães que também sofriam horrores com a 2º Guerra Mundial.


Achei que foca-se de maneira diferente na história, e claro está, cada um retira as conclusões que quer e assim o fez o argumentista, porém mostra pouco sobre como, em altura de guerras, ninguém está imune a sofrer as consequências, esteja de que lado estiver, e essa abordagem acabou por saber a superficial. Ainda assim serviu para mostrar que em plena guerra o terror pode estar presente mas são nesses momentos que sabemos quem tem a competência para lutar contra as adversidades e mostrar o lado mais humano. O problema foi que não bastou para me comover.

PS- quem já viu o filme diga lá se o Rudy não se parece com este miúdo do quadro de Giovanni Bragolin?!



 

E vocês também sentem curiosidade em relação à adaptação?

8 comentários:

  1. Estou com medo do filme >.<

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tenhas, não vás é com expectativas altas :)

      Eliminar
  2. Já vi. Ainda bem que vi na net ou ia chorar os meus €€€ :X

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como filme apenas está bom, mas.... mas como adaptação é insipido. Confuso? :/

      Eliminar
    2. Não, percebi perfeitamente onde queres chegar.
      Ou seja, é um bom filme para quem não leu o livro.
      Quem o leu sente falta de tanta coisa, não tem emoção nenhuma e o livro tem carradas :/

      Eliminar